China diz ter desbaratado plano terrorista contra a Olimpíada

Grupo atuaria sob ordens de uma organização separatista uighur, baseada no Paquistão e no Afeganistão

Associated Press,

09 de março de 2008 | 08h49

A polícia chinesa capturou e matou supostos extremistas islâmicos que planejavam realizar atentados terroristas durante os Jogos Olímpicos de Pequim, disse uma alta autoridade do Partido Comunista Chinês (PCC).   O principal representante do partido na região de Xinjiang,  Wang Lequan, disse que os materiais apreendidos na ação policial de 27 de janeiro na cidade de Urumqi mostram que os conspiradores tinham o objetivo de "sabotar, especificamente, a realização das Olimpíadas de Pequim".   "A meta deles era muito clara", disse Wang à imprensa. Ele não ofereceu evidências, e informes anteriores sobre a batida policial não mencionavam os jogos.   Wang disse que o grupo atuava sob ordens da  liderança de uma organização separatista uighur, baseada no Paquistão e no Afeganistão e chamada Movimento Islâmico do Turquestão Oriental (Etim, na sigla em inglês). O grupo é classificado como terrorista tanto pela ONU quanto pelos EUA. Turquestão Oriental é outro nome para a província de Xinjiang.   Autoridades chinesas combatem há anos um movimento separatista entre a etnia uighur de Xinjiang, um povo distinto, étnica e culturalmente, da maioria han chinesa. A China diz que a principal ameaça terrorista do país vem do Etim, embora acredite-se que o grupo conte com poucas dezenas de membros. A China atacou um campo de treinamento do Etim no ano passado, matando 18 extremistas supostamente ligados à Al-Qaeda.   O jornal Global Times, publicado pelo PCC, havia informado que o grupo pretendia realizar atentados e "outros incidentes violentos" em 5 de fevereiro, último dia útil antes do feriado do ano-novo lunar.   O jornal havia dito que a polícia tinha confiscado armas, bombas, materiais de treinamento e "material de extremismo religioso" durante a batida, na qual dois membros da quadrilha foram mortos e outros 15, presos. As autoridades não identificaram os mortos, os presos ou os supostos alvos. Especialistas em terrorismo dizem que a ameaça para os Jogos Olímpicos é baixa, por conta dos controles sociais estritos na China, mas advertem que a capacidade de Pequim em combater o terrorismo é baixa, especialmente nos setores de levantamento e análise de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
chinaolimpíadajogos olímpicospequim

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.