China diz ter punido 43 autoridades por má conduta e terremoto

Autoridades chinesas puniram 43 colegaspor conduta inadequada durante os esforços de ajuda às vítimasnos dias que se seguiram ao terremoto que devastou a provínciade Sichuan --12 delas foram demitidas, disse uma importanteautoridade na segunda-feira. A ministra de Supervisão, Ma Wen, também chefe do CentroNacional de Prevenção da Corrupção, disse que as punições foramaplicadas devido a mais de mil reclamações do público após oterremoto de 7,9 graus de magnitude no sudoeste da China,desastre no qual morreram quase 70 mil pessoas. A maioria das reclamações "diziam respeito ao mau uso dasbarracas nas etapas iniciais do atendimento e sobre adistribuição inadequada de comida e outros itens", disse ela emuma entrevista coletiva. "As outras autoridades (foram punidas) por reagirlentamente ou por liberar ajuda de forma perniciosa",acrescentou. Uma das autoridades era o vice-chefe da Assembléia Local deAnyang, cidade da pobre província central de Henan. Ele comprouitens de ajuda de qualidade duvidosa, segundo Ma, que disse queele foi despedido. As autoridades que não foram demitidas receberam deméritosadministrativos, o que significa que foram rebaixadas outiveram o nome manchado, com menos chances de futuraspromoções. O governo já havia avisado que puniria severamente quemroubasse ou utilizasse mal os bilhões de iuans enviados àsáreas afetadas pelo terremoto. A China tem um sério problema com a corrupção, tão sérioque o Partido Comunista já alertou que isto ameaça o seu poderno país. Não se passa uma semana sem que haja alguma históriade corrupção na mídia estatal. O vice-ministro das Finanças, Liao Xiaojun, disse na mesmaentrevista que os departamentos governamentais receberam aordem de apertar os cintos depois do governo ter dito quecortaria o orçamento para colocar mais dinheiro nas áreasafetadas pelo tremor. "Pedimos aos departamentos que façam menos reuniões ouencurtem as reuniões, que cortem as viagens de negócios, usemmenos os carros oficiais e economizem água, eletricidade ecombustível", disse Liao. No mês passado, o premiê Wen Jiabao pediu a todos osdepartamentos do governo que cortassem o orçamento deste ano em5 por cento, para que ajudassem a juntar 70 bilhões de iuans(10,12 bilhões de dólares) para a ajuda e reconstrução dasáreas afetadas pelo terremoto. (Reportagem de Ben Blanchard)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.