China e Dalai Lama concordam em conversar novamente

Enviados do Dalai Lama eautoridades chinesas concordaram em se reunir novamente depoisde um dia de conversas, afim de solucionar as tensõesdespertadas por um levante que colocou o Tibete no centro dasatenções às vésperas das Olimpíadas de Pequim. O encontro a portas fechadas, ocorrido no domingo, nacidade de Shenzhen, perto de Hong Kong, foi o primeiro desdeque as revoltas anti-Pequim irromperam em Lhasa, numa onda deprotestos no Tibete e em áreas vizinhas, em março. "Eles (os enviados) completaram sua discussão", disse àReuters Thbten Samphel, secretário do Departamento deInformações do governo em exílio tibetano em Dharamsala, Índia. "O professor Samdhong Rimpoche disse que o diálogo correumuito bem", afirmou Samphel, referindo-se ao primeiro-ministrodo auto-proclamado governo em exílio. As revoltas tibetanas, cuja responsabilidade a Chinaatribui ao Dalai Lama, foram o maior desafio ao comando chinêsem duas décadas. O levante inspirou uma série de protestos contra a Chinadurante o revezamento da tocha olímpica e a pedidos de boicoteaos Jogos Olímpicos, o que, por sua vez, estimulou uma respostade chineses patriotas. "Autoridades do governo central chinês e representantesprivados do 14o Dalai Lama concordaram em se reunir novamenteem um momento apropriado", disse a agência de notícias estatalXinhua. (Reportagem adicional de Royston Chan e Abhishek Madhukar,em Dharamsala)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.