China e EUA decidem retomar o diálogo bilateral sobre direitos humanos

Após dois anos de gelo, EUA e China decidiram restabelecer o diálogo sobre direitos humanos, em mais um sinal de que as relações entre as duas potências está melhorando. O primeiro encontro bilateral deve ocorrer no próximo mês.

, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2010 | 00h00

Pequim havia se irritado com a decisão do presidente Barack Obama de receber, há dois meses, o líder espiritual tibetano no exílio, o dalai-lama. O embaixador americano na China chegou a ser convocado para dar explicações. Do outro lado, americanos reforçaram as críticas depois de o fracasso das negociações entre o governo chinês e o Google, cujo serviço na China foi censurado. Washington também havia subido o tom contra a desvalorização forçada do yuan, que torna os produtos chineses mais competitivos.

Os novos encontros devem ocorrer em Washington. Na agenda, estarão temas como liberdade religiosa, aplicação de leis e livre navegação na internet. Alguns ativistas também participarão dos debates.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.