Diptendu Dutta/ AFP
Diptendu Dutta/ AFP

China e Índia dizem que não querem mais confrontos na fronteira

Dezenas de soldados morreram em um confronto em uma região de fronteira entre os dois países

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2020 | 10h25

China e Índia concordaram nesta quarta-feira, 17, em "reduzir a tensão" na fronteira após o incidente violento que deixou 20 soldados indianos mortos. O anúncio foi feito por autoridades chinesas após uma conversa entre os dois ministros das Relações Exteriores. Ambos os lados concordaram em manter a paz na complexa área de fronteira, segundo a diplomacia chinesa.

"No que diz respeito a China, não queremos ver mais confrontos com a Índia", afirmou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, depois do incidente entre militares chineses e indianos na segunda-feira, 15, na fronteira do Himalaia.

Os dois países trocaram acusações pelo incidente de segunda-feira, que terminou com 20 soldados indianos, enquanto a China se recusa a confirmar baixas entre suas forças.

O porta-voz da diplomacia chinesa insistiu que as tropas indianas atravessaram ilegalmente a fronteira e atacaram o lado chinês. "Isto levou a um confronto físico grave entre os dois lados, com mortos e feridos", declarou Zhao, sem entrar em detalhes sobre as vítimas.

De acordo com o porta-voz, a China pediu à Índia para "conter rigorosamente as tropas da linha de frente, que não atravessem ilegalmente a fronteira e não adotem ações unilaterais que compliquem a situação na fronteira".

Ao mesmo tempo, Zhao afirmou que os dois lados seguirão resolvendo este assunto por meio do diálogo e das negociações. "Obviamente, não desejamos mais confrontos", concluiu.

Os confrontos de segunda-feira na região do Himalaia mataram pelo menos 20 soldados indianos. Foi o primeiro incidente com mortos entre os dois países desde 1967. A violência é resultado de uma disputa de décadas entre as duas potências nucleares sobre a localização da fronteira no Himalaia.

Há sessenta anos, índia e China entraram em guerra pela disputa de uma fronteira que terminou com uma trégua em 1962. Nenhuma linha de fronteira foi oficialmente negociada e estabelecida ao longo da faixa de terra sobre o Himalaia, mas a trégua estabeleceu uma Linha de Controle Real de 3.500 quilômetros. Desde então, uma paz incerta se estabeleceu. Mas toda vez que há uma faísca de violência, o mundo assiste apreensivo./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.