China e Rússia anunciam plano de manobra militar conjunta

China e Rússia promoverão em 2005 sua primeira manobra militar conjunta, anunciou o governo chinês, ao mesmo tempo em que o presidente Hu Jintao pedia a expansão da aliança, cada vez mais ampla, entre os dois ex-rivais da Guerra Fria. O anúncio foi feito em Pequim, durante uma visita do ministro russo da Defesa, Sergei Ivanov, que deverá discutir a expansão das multibilionárias vendas de armas da Rússia para a China, entre outros assuntos. Os exercícios militares deverão ocorrer em território chinês, de acordo com informações da agência de notícias China News Service. Entretanto, nem a reportagem nem o comunicado emitido pelos governos revelavam a data exata das manobras, nem diziam quais armas estarão envolvidas."Nós queremos promover o desenvolvimento da relação estratégica de colaboração entre os dois países com o objetivo de assegurar e promover a paz na região e no mundo", publicou a agência citando o presidente da China, Hu Jintao. Por sua vez, a agência de notícias Nova China citou Ivanov e seu homólogo chinês, Cao Gangchuan, dizendo que as manobras militares representarão "um acontecimento importante, com impacto e significado amplos". Desde o colapso da União Soviética, em 1991, Pequim e Moscou desenvolveram fortes relações políticas e militares, guiados em parte pelo desejo mútuo de fazer frente ao domínio global dos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.