China e Rússia expressam desaprovação a ação militar no Irã

A China é contra a política de ameaçaro Irã com uma guerra devido a seu programa nuclear e defendeuma solução diplomática para o assunto, afirmou uma porta-vozdo governo nesta terça-feira. O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov,também expressou preocupação com relatos de que uma açãomilitar contra o Irã esteja sendo considerada. "Isso é umaameaça a uma região onde já há sérios problemas no Iraque e noAfeganistão", afirmou ele. Estados Unidos, Alemanha, França, Grã-Bretanha, Rússia eChina apoiaram duas séries de sanções da Organização das NaçõesUnidas (ONU) contra o Irã por causa da recusa do país eminterromper o enriquecimento de urânio e outras atividades quepoderiam ser destinadas à fabricação de armas atômicas. "Acreditamos que a melhor opção é pacificamente resolver aquestão nuclear iraniana através de negociações diplomáticas,que são o interesse da comunidade internacional", disse aporta-voz da Chancelaria chinesa Jiang Yu. "Não aprovamos o caminho de se facilmente ameaçar com o usoda força em assuntos internacionais", afirmou Jiang quandoquestionada sobre declarações do ministro das Relações francês,Bernard Kouchner, a respeito da possibilidade de guerra com oIrã. No domingo, Kouchner disse que Paris deveria se prepararpara um possível conflito com Teerã, embora isso não fosse umperigo imediato. Os EUA lideram esforços no Conselho de Segurança da ONUpara uma terceira resolução de sanções para punir o Irã peloenriquecimento. O Irã nega que esteja secretamente em busca de armasnucleares e argumenta que deseja apenas gerar eletricidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.