China e Rússia iniciam construção de gasoduto na Sibéria

Acordo de maio entre os países determinou que Moscou fornecerá até 38 bilhões de metros cúbicos de gás natural para a China

O Estado de S. Paulo

01 de setembro de 2014 | 11h21

PEQUIM - China e Rússia inauguraram no domingo 31 a construção de um gasoduto ao leste da Sibéria, parte do acordo que os países assinaram em maio, no qual ficou definido que Moscou fornecerá à potência asiática até 38 bilhões de metros cúbicos de gás natural anualmente a partir de 2018 e nos 30 anos seguintes.

O vice-primeiro-ministro chinês, Zhang Gaoli, viajou no domingo para Yakutsk, capital da República de Saja, na Sibéria oriental, para assistir à cerimônia de inauguração da construção na parte russa.

O gasoduto oriental, chamado "A Força da Sibéria", unirá os campos de gás siberianos de Kovytikin e Chayandin com a cidade oriental portuária russa de Vladivostok, cobrindo uma distância de quase quatro mil quilômetros até chegar ao nordeste da China.

Estima-se que o investimento total do projeto superará os US$ 5 bilhões, segundo a agência Xinhua, que acrescentou que a presença de Zhang "reflete a importância que o governo chinês dá à cooperação estratégica com a Rússia e seu desejo de expandi-la para mais áreas e maiores níveis".

O acordo, assinado entre o consórcio russo Gazprom e a Corporação Nacional de Petróleo da China (CNPC) por US$ 400 bilhões no final de maio, foi um passo histórico após uma década de negociações entre os dois países.

Selado durante uma visita do presidente russo, Vladimir Putin, a Xangai, o fim das negociações foi interpretado como um sinal da urgência de Moscou em buscar novos compradores de gás após as sanções impostas por parte da União Europeia (UE) e dos EUA em razão da situação na Ucrânia.

A provisão significará uma mudança importante para as províncias do nordeste chinês, as principais beneficiadas do acordo, segundo os especialistas, já que o gás será transportado pela mesma rota geográfica pela qual Moscou exporta petróleo para a região.

O vice-primeiro-ministro chinês ressaltou, segundo a Xinhua, que o gasoduto é uma prova de que "as relações sino-russas chegaram a um novo nível". No sábado, ele presidiu o 11º encontro da Comissão de Cooperação de Energia China-Rússia com o vice-primeiro-ministro russo, Arkady Dvorkovich. / EFE

Mais conteúdo sobre:
ChinaRússiagasodutoSibéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.