China eleva piloto morto à condição de mártir

Enquanto as acusações mútuas entre China e Estados Unidos intensificavam hoje a tensão diplomática entre os dois países e os 24 tripulantes do avião espião EP-3 eram recebidos como heróis em Washington, o governo chinês elevava à condição de "mártir revolucionário" o piloto Wang Wei, que desapareceu na colisão com a aeronave norte-americana, dia 1º. De acordo com a agência oficial de notícias Nova China, Wang realizou seu "glorioso sacrifício" ao interceptar com seu caça F-8 o avião norte-americano e tentar deter a "violação das leis internacionais" por parte do EP-3. "Sob as leis internacionais, os Estados Unidos deveriam assumir a responsabilidade por suas ações ilegais, incluindo intrusões, indenizar as vítimas pelas perdas, garantir que esses erros não se repetirão e pedir desculpas à China", comentou a agência. Como honra ao piloto, o retrato de Wang ficará exposto no Panteão dos Heróis Comunistas, em Pequim. Seus restos não foram encontrados, mas as autoridades chinesas consideram nulas as chances de seu piloto ter sobrevivido à queda do F-8.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.