China envia forças para combater piratas na Somália

Pela 1ª vez na sua história moderna, país envia navios militares além do Pacífico.

Marina Wentzel, BBC

18 de dezembro de 2008 | 17h15

A China afirmou nesta quinta-feira que vai enviar forças da Marinha para combater os piratas que tem atacado navios na costa da Somália.Dois destróieres e um barco de apoio sairão da costa de Hainan, no sul do país, ainda antes do fim do mês em direção ao Golfo de Áden.Esta será a primeira vez na história da China moderna em que a liderança comunista manda seus navios militares a uma missão em águas além do Oceano Pacífico.O envio de forças chinesas faz parte do esforço multinacional anunciado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para combater a pirataria nas águas africanas.Na terça-feira, o Conselho de Segurança da ONU aprovou a intervenção de forças estrangeiras para caçar os piratas que se refugiam no território da Somália.Durante um ano, as Marinhas de outras nações poderão perseguir os piratas nas águas territoriais do país, desde que as forças estrangeiras avisem o governo somali de suas pretensões.As lideranças da Somália admitem que não têm condições de evitar o seqüestro de navios e, por isso, aceitam o auxílio internacional.PatrulhaNavios de guerra dos Estados Unidos, da Índia e de países europeus já estão patrulhando as águas da região.Na quarta-feira, um ataque a um navio chinês foi frustrado após a tripulação reagir e combater os invasores até que forças estrangeiras chegassem para cuidar da situação.Estima-se que os criminosos de alto-mar tenham em seu poder pelo menos 17 embarcações de diversas bandeiras e tenham realizado 42 seqüestros bem-sucedidos desde o começo do ano.Os piratas estão retendo navios de grande porte como o petroleiro Sirius Star, da Arábia Saudita, e o ucraniano Faina, que transportava equipamentos militares e armas para a África. De acordo com o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Liu Jianchao, 1.265 navios chineses passaram pelo Golfo de Áden desde o começo do ano - e sete deles foram atacados por piratas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.