China enviará 50 mil toneladas de petróleo à Coréia do Norte

O propósito é criar um clima propício para a segunda fase do processo de desnuclearização da península coreana

EFE,

05 de agosto de 2007 | 04h28

A China enviará 50 mil toneladas de petróleo à Coréia do Norte em meados de agosto como contrapartida ao compromisso de desnuclearização de Pyongyang, como foi acordado nas negociações de seis lados, informou neste domingo, 5, a agência sul-coreana "Yonhap". No acordo de 13 de fevereiro, assinado pelas duas Coréias, Estados Unidos, China, Rússia e Japão, o regime norte-coreano concordou em desmantelar suas instalações nucleares em troca de um milhão de toneladas de petróleo, que os outros cinco signatários se comprometeram a enviar ao longo do processo de desnuclearização. Pequim seguirá assim a Coréia do Sul, que foi o primeiro signatário do acordo a enviar 50 mil toneladas de petróleo para Pyongyang, segundo fontes diplomáticas consultadas pela agência de notícias sul-coreana. "Entendemos que a China fornecerá 50 mil toneladas de petróleo sem refinar à Coréia do Norte em meados de agosto", assegurou a fonte, que acrescentou que entre os dias 7 e 8 deste mês um grupo de trabalho discutirá os detalhes do envio na localidade de Panmunjeom, situada na zona desmilitarizada que separa as duas Coréias. O frete tem como propósito criar um clima propício para a segunda fase do processo de desnuclearização da península coreana, perante os últimos obstáculos da negociação. Em primeiro lugar está a exigência da Coréia do Norte de obter um reator nuclear de água leve em troca do desmantelamento completo de seu atual programa nuclear. A exigência de Pyongyang esbarra na oposição mostrada pelos Estados Unidos até o momento. Além disso, o ministro de Assuntos Exteriores norte-coreano, Pak Ui-chun, lembrou na semana passada que seu país não destruirá totalmente suas instalações nucleares até que os EUA abandonem sua política hostil em direção a Pyongyang.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinapetróleoCoréia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.