China enviará dois astronautas ao espaço dentro de dois anos

Com o aumento de sua confiança nas viagens espaciais, a China anunciou nesta quarta-feira (05) planos de enviar mais dois astronautas ao espaço sideral dentro de dois anos em sua segunda missão tripulada à órbita da Terra. O anúncio, divulgado em despacho da agência de notícias Nova China, foi a informação mais detalhada divulgada até o momento sobre os planos chineses para sua próxima viagem espacial. A nave a ser utilizada será batizada como Shenzhou 6. O site Xinhuanet.com - pertencente à Nova China - citou como fonte o projetista-chefe do programa espacial chinês, Wang Yongzhi. Apesar de a Shenzhou 6 ter autonomia de vôo de mais de sete dias, Wang comentou apenas que a próxima missão provavelmente durará "pelo menos 24 horas", prosseguiu a agência de notícias. Os comentários de Wang foram feitos ontem, quando autoridades espaciais viajaram a Hong Kong e a Macau. A notícia vem à tona apenas três semanas depois de o astronauta Yang Liwei ter-se transformado no primeiro chinês a ir ao espaço. Yang foi à órbita terrestre a bordo da Shenzhou 5 em 15 de outubro. Ele retornou no dia seguinte, depois de 21 horas em meia de viagem ao espaço. "Os cientistas estão empenhados em pesquisas para a criação de um ambiente dentro da espaçonave capaz de acomodar mais de um astronauta", escreveu o Xinhuanet.com, resumindo as declarações de Wang. O governo ainda não identificou quais taiconautas (adaptação do termo chinês para astronauta) participarão da próxima missão, mas especula-se que os favoritos seriam Zhai Zhigang e Nie Haisheng. Nos últimos dias, eles foram incluídos na maior parte das comemorações ocorridas depois do retorno de Yang à Terra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.