REUTERS/Tingshu Wang
REUTERS/Tingshu Wang

China espera para se manifestar sobre eleição de Joe Biden

Chanceler chinês afirma que Pequim acompanhou vitória do democrata, mas vai aguardar esgotamento dos procedimentos legais

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2020 | 07h35

PEQUIM - Um dos únicos países a não se pronunciar sobre a vitória de Joe Biden na eleição dos EUA, a China vai esperar a confirmação do resultado pelas autoridades americanas para parabenizar o democrata.

De acordo com o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin, Pequim acompanhou a declaração de vitória feita por Biden, mas que vai esperar o cumprimento de etapas posteriores para reconhecer o candidato.

"Vi que Biden declarou vitória nas eleições", disse Wang a repórteres em uma conferência diária. "Entendemos que o resultado das eleições presidenciais será determinado seguindo as leis e procedimentos dos EUA." A China "seguirá as práticas internacionais" em suas declarações sobre o resultado, disse Wang.

O relacionamento entre China e Estados Unidos foi marcado por conflitos durante a gestão de Donald Trump, caracterizado pela crescente tensão sobre comércio, tecnologia e luta por influência na Ásia e no resto do mundo.

Biden provavelmente vai retomar os laços bilaterais a uma situação menos beligerante, embora Pequim tenha assumido a posição ao longo do processo eleitoral de não comentar diretamente sobre o que vê como uma questão de política interna dos EUA.

A postura da China se encaixa em sua política declarada de não intervenção nos assuntos internos de outros países e seu desejo de melhorar suas opções com o lado que ficar no poder. Sem comentar sobre o vencedor, Wang disse que Pequim "sempre manterá que a China e os Estados Unidos devem fortalecer o diálogo e a comunidade", expandir sua cooperação e "administrar e controlar as diferenças com base no respeito mútuo"./ AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.