China evacua 435 mil pessoas devido a ameaça de tufão

Cerca de 435 mil habitantes da província de Fujian, no litoral sudeste da China, foram removidos nesta terça-feira e mais de 44 mil navios tiveram que voltar ao porto devido à ameaça do tufão "Kaemi", o quinto a chegar ao país nesta temporada de verão do hemisfério norte, informou a imprensa oficial.O sul da China ainda não acabou de se recuperar dos devastadores efeitos do "Bilis", que deixou mais de 600 mortos e 26 milhões de desabrigados. Agora, a região vive novo estado de alerta máximo porcausa do "Kaemi", que no entanto até agora deixou apenas quatro feridos na ilha de Taiwan.Para tentar reduzir o risco de inundações, as autoridades estão abrindo as comportas das represas para liberar 185 milhões de metros cúbicos de água. Todos os serviços de transporte de passageiros entre o porto de Xiamen, o maior da região, e a ilha taiuanesa de Jinmen foram suspensos. Mais ao sul, na província de Cantão, todos os navios também voltaram ao porto.O "Kaemi" deve chegar ao litoral de Fujian na tarde desta terça-feira, horário local, horas antes do anunciado anteriormente. Um dia depois, deverá atingir também a província de Jiangxi, no interior do país.Às 10h de terça (23h de segunda-feira, em Brasília), o olho do tufão se encontrava 135 quilômetros a sudeste da cidade de Xiamen e se deslocava em direção noroeste, a uma velocidade de 20 km/h, trazendo fortes precipitações e ventos de 117 km /h.O vice-primeiro-ministro chinês Hui Liangyu pediu às autoridades de todos os níveis que tomem medidas de precaução, já que o perigo é "muito grave"."A prioridade é salvar vidas, e também tomar medidas para assegurar o abastecimento de comida, roupa e atendimento médico às zonas afetadas", destacou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.