China executa 18 em um dia

Um total de 18 pessoas foram executadas hoje em Pequim, dez delas em um intervalo de 15 minutos, escreve hoje o jornal Pequim. O diário indica que um primeiro grupo de condenados à morte foi levado ao local das execuções às 9h locais e que, 15 minutos depois, estavam todos mortos. Antes de ser conduzido ao local, Ma Jun, de 23 anos, foi entrevistado pelos jornalistas. Parecia tranqüilo. "Na realidade, tenho pânico", disse. "Quando era pequeno, os fuzilamentos me encantavam. Nunca pensei que isto pudesse acontecer comigo". Do segundo grupo de condenados, o mais velho tinha 30 anos. A maioria, segundo o Pequim, tinha entre 22 e 23 anos. A China está promovendo uma campanha contra o crime chamada "Bater forte", que já resultou em 1.800 execuções em menos de quatro meses - de abril a julho deste ano, segundo a organização Anistia Internacional. Neste curto espaço de tempo, segundo a Anistia, a China realizou mais execuções do que o resto do mundo nos últimos três anos. Mas o governo chinês não divulga estatística sobre o número de execuções.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.