China exige que ação militar cesse imediatamente

A China exigiu nesta quinta-feira que a ação militar contra o Iraque seja imediatamente suspensa e afirmou que o ataque inicial pelos Estados Unidos ?viola as normas de convivência internacional?. O ministro das Relações Exteriores chinês, Kong Quan, disse que o início do ataque ao Iraque ?demonstrou indiferença à oposição da comunidade internacional?.?A ação militar contra o Iraque está violando as normas da convivência internacional?, disse Kong em seu habitual encontro com a imprensa. ?Nós lamentamos e expressamos nosso desapontamento.? Ele afirmou que a China continua a insistir em que ?a questão do Iraque pode ser resolvida pacificamente?.A China há tempos manifesta sua oposição à guerra contra o Iraque e afirma que o problema das armas pode ser resolvido no âmbito do Conselho de Segurança das Nações Unidas. A China é membro permanente com poder de veto do Conselho de Segurança da ONU.?Conclamamos os países relevantes a parar de usar a força, parar a ação militar?, disse Kong. ?A questão iraquiana deve voltar ao marco do acordo político dentro do Conselho de Segurança.? Ele não disse o que a China faria em protesto, se é que o fará.?O governo chinês continuará seus esforços pela paz?, afirmou, e convidou as outras nações a fazerem o mesmo. ?Estamos profundamente preocupados com a perda de vidas e propriedades que pode se seguir. Também estamos preocupados com o impacto (da guerra) sobre a paz e o desenvolvimento do mundo?. Kong jamais disse as palavras ?Estados Unidos? e se referiu a este país apenas como ?países relevantes?.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.