REUTERS/Alexander Bibik
REUTERS/Alexander Bibik

China exige que Canadá pare com extradição de executiva da Huawei para os EUA

Ministério das Relações Exteriores do país asiático disse que processo contra Meng Wanzhou é uma 'grave violação dos direitos de um cidadão chinês'

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2019 | 03h46

XANGAI - A China exigiu neste sábado, 2, que o Canadá que pare com a extradição aos Estados Unidos de Meng Wanzhou, diretora financeira da multinacional chinesa de telecomunicações Huawei, um processo autorizado na sexta-feira pelo Governo do país.

"O abuso por parte de Estados Unidos e Canadá das suas regras de extradição é uma grave violação dos direitos legítimos de um cidadão chinês", disse hoje o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Lu Kang.

O Departamento de Justiça do Canadá emitiu nesta sexta-feira, 1, uma autorização para começar formalmente o processo de extradição de Meng, detida em 1º de dezembro do ano passado na cidade canadense de Vancouver quando ia para o México.

Em janeiro, o Departamento de Justiça dos EUA acusou a Huawei, duas companhias filiadas e Meng por 13 casos de fraude e conspiração para evitar as sanções impostas por Washington ao Irã.

Meng está atualmente em liberdade sob fiança, mas proibida de deixar sua mansão em Vancouver. A executiva terá que comparecer no dia 6 de março no Tribunal Supremo da província da Colúmbia Britânica para iniciar o processo de extradição. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.