China expressa apoio ao plano russo sobre armas sírias

A China disse nesta terça-feira que apoia o plano russo segundo o qual a Síria deve entregar suas armas químicas para a comunidade internacional. O proposta da Rússia é considerada como uma maneira para evitar uma potencial ofensiva militar dos EUA contra o país do presidente Bashar Assad.

AE, Agência Estado

10 Setembro 2013 | 07h37

"Contanto que a proposta amenize as tensões na Síria e resolva a questão síria e garanta a paz na região, a comunidade internacional deve dar atenção especial a isso", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Hong Lei, sobre a proposta em uma coletiva de imprensa regular.

"Uma ação militar unilateral vai contra o espírito da Carta das Nações Unidas", acrescentou.

Embora tenha poucas ligações fortes com o regime de Assad, a China se alinhou com a Rússia na oposição a uma resposta militar ao uso de armas químicas na Síria. Os dois países insistem que a questão seja tratada no âmbito do Conselho de Segurança das Nações Unidas, onde a Rússia e China têm poder de veto.

Uma delegação de seis membros de uma facção da oposição síria chegou na China na terça-feira. Grupo deve permanecer no país por uma semana, durante a qual se reunirá com funcionários do Ministério de Relações Exteriores chinês, disse Hong, sem detalhar qual facção da oposição enviou a delegação. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
ChinaSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.