REUTERS/ Ann Wang
REUTERS/ Ann Wang

China fala em 'unificação pacífica com Taiwan', que promete resistir à pressão

Fim de semana de comemorações pela Revolução de 1911, que derrubou a última dinastia chinesa, é marcado por troca de ameaças; Xi Jinping discursa sobre reunificar a pátria e Tsai Ing-wen reage dizendo que ilha não vai ‘se curvar’ às vontades do continente

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2021 | 18h58

PEQUIM - Em mais um movimento de deterioração da relação entre China e Taiwan, os líderes do país e da ilha trocaram acusações e ameaças sobre a unificação do território, considerado por Pequim como uma de suas províncias. No fim de semana do 110.º aniversário da Revolução de 1911, a tensão no Estreito de Taiwan só aumenta, após a maior incursão por aviões militares chineses na zona de identificação de defesa aérea da ilha.

O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu uma “reunificação” inevitável com Taiwan por “meios pacíficos” e a presidente da ilha, Tsai Ing-wen, reagiu dizendo que ninguém obrigaria a população a se curvar à pressão chinesa. Taiwan relatou na última semana um número recorde de incursões de aviões militares de Pequim.

O discurso de Xi ocorreu no sábado 9, durante comemorações da Revolução de 1911, que derrubou a última dinastia chinesa. O mesmo evento foi lembrado neste domingo, 10, em Taiwan, onde Sun Yat-sen, o primeiro e efêmero presidente chinês, é considerado o pai da nação.

Apesar de sua rivalidade política e histórica, Pequim e  Taipé derivam sua legitimidade da Revolução de 1911.

A ilha de Taiwan, que vive sob um sistema democrático, é governada por um poder independente de Pequim desde a vitória dos comunistas sobre o continente em 1949. Mas a China ameaça usar a força no caso de uma proclamação formal de independência da ilha.

“Alcançar a reunificação da pátria por meios pacíficos é do interesse geral da nação chinesa, incluindo dos compatriotas de Taiwan”, afirmou Xi no Palácio do Povo em Pequim, com um retrato de Sun Yat-sen ao fundo. “A reunificação de nosso país pode e será alcançada”, garantiu o presidente chinês, fazendo um alerta contra qualquer interferência estrangeira.

As tensões entre Taiwan e o continente atingiram seu nível mais alto a partir de 2012, sob a presidência chinesa de Xi, e se deteriorou ainda mais em 2016, com a eleição de Tsai. Na ocasião, Xi interrompeu a comunicação oficial com Taipei.

“Aqueles que traem a pátria e dividem o país nunca terminam bem”, ameaçou Xi a respeito dos separatistas taiwaneses. O governo de Xi considera que Tsai apoia o separatismo da ilha, mesmo a presidente se declarando favorável a manter o statu quo e não tendo dado nenhum passo em direção a uma declaração de independência. 

Após ganhar duas eleições, Tsai propôs negociações a Pequim, que as rejeitou. No discurso deste domingo, a presidente reiterou sua oferta de “iniciar um diálogo paritário” e disse ser a favor da manutenção da atual situação entre os dois territórios. Mesmo assim, o sentimento nacionalista taiwanês esteja crescendo, especialmente entre os jovens. 

“Ninguém pode forçar Taiwan a seguir o caminho que a China traçou para nós. Queremos uma distensão das relações (com Pequim) e não agiremos precipitadamente, mas eles não devem ter a ilusão de que o povo taiwanês se curvará sob pressão”, disse Tsai. 

Incursões

Um recorde de 150 aeronaves militares chinesas, incluindo bombardeiros H-6 com capacidade nuclear, fizeram incursões na Zona de Identificação de Defesa Aérea (ADIZ) de Taiwan dias antes e depois de 1.º de outubro, data do feriado nacional chinês. No último ano foi quebrado um recorde de 380 incursões na zona de defesa aérea e este ano já são mais de 600.

Esta zona não corresponde ao espaço aéreo taiwanês, mas a uma área maior, que em alguns casos se sobrepõe à China continental.

Tsai alertou ontem que tudo o que acontecer a Taiwan terá grandes consequências regionais e globais. 

Na sexta-feira 8, os Estados Unidos admitiram que treinavam em segredo o Exército taiwanês há meses. Um contingente de cerca de 20 membros das operações especiais e forças convencionais americanas vem conduzindo o treinamento há menos de um ano, informou à agência France-Press um funcionário do Pentágono, que pediu anonimato.

Os EUA fornecem armas a Taiwan, incluindo mísseis de defesa e caças, e têm um compromisso ambíguo de defender Taiwan.

Xi voltou a falar, no sábado, que a situação na região é um tema interno”. “A questão de Taiwan é um assunto puramente interno da China...Ninguém deve subestimar a forte determinação do povo chinês em defender a soberania nacional e a integridade territorial”, afirmou.

Medo

O domínio crescente de Pequim sobre Hong Kong, um modelo de como a China pretende governar Taiwan, deixa os habitantes da ilha inda mais temerosos com as declarações de Xi. 

“Como taiwanês, não acho que podemos aceitar (a reunificação), basta olhar para o que acontece em Hong Kong”, disse à France-Press Hung Chen-lun, que esteve com seus dois filhos nas celebrações do feriado nacional ontem. / AFP, NYT e W.POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.