China fecha 140 mil sites para celular

A alegação era de que o conteúdo exibido era pronográfico ou ilegal

Efe

16 de março de 2010 | 03h14

A China fechou 140 mil sites WAP (Wireless Access Protocol, protocolo de acesso sem fio a internet para telefones móveis) por possuírem conteúdo pornográfico, após uma investigação de 5 meses, de acordo com o Escritório Nacional contra as publicações pornográficas e ilegais.

 

De acordo com o jornal oficial "China Daily', a investigação foi concentrada nas províncias de Pequim, Shangai, Zhejiang, Anhui e Cantón, onde se encontram a maioria dos serviços WAP.

 

"O próximo passo é controlar os sites WAP de conteúdo pornográfico que operam fora do país, já que muitos estão hospedados em outros países para evitar o controle", assegurou o diretor do Escritório Nacional contra as publicações pornográficas e ilegais, Zhou Huilin.

 

A última campanha da China contra este tipo de conteúdo na internet em 2009, terminou com a prisão de quase 5.400 pessoas e 9 mil sites ilegais e pornográficos fechados.

 

Apesar das autoridades apontar que a intenção é eliminar conteúdo erótico na internet, os grupos defensores da liberdade de imprensa e expressão destacaram que a intenção é censurar conteúdos que discordam com a linha de governo do Partido Comunista da China.

 

Segundo a ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF), a China tem a tecnologia de censura mais sofisticada do planeta, o que não tem sido obstáculo para ter o maior número de usuários do mundo, com 384 milhões, dos quais 60,8% acessam a internet através de seus celulares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.