Thomas Peter/Reuters
Thomas Peter/Reuters

Para acabar com comércio ilegal, China fecha fábricas de marfim 

Objetivo do gigante asiático é banir as vendas do produto até o final de 2017

O Estado de S.Paulo

31 de março de 2017 | 00h56

HONG KONG - A China, principal importador e consumidor de presas de marfim, fechou um terço de suas fábricas e lojas de varejo dedicados ao produto nesta sexta-feira, 31. É o primeiro passo para banir as vendas de marfim até o final do ano. São 67 fábricas de esculturas e estabelecimentos.

Sobrarão, ainda, 105 estabelecimentos para serem fechados até o fim do ano, de acordo com documentos do governo chinês. O movimento foi reivindicado por ativistas, mas há o temor de que a região administrativa de Hong Kong seja um obstáculo para erradicar o comércio de produtos provenientes da caça ilegal de elefantes. 

A antiga colônia inglesa, que tem o maior mercado de varejo para o mercado de marfim, é um hub de consumo e trânsito. Mais de 90% dos consumidores vêm da China. Em Hong Kong, a atividade existe há mais de 150 anos. 

O país pediu tempo para banir o comércio de marfim no ano passado, mas legisladores se reuniram nesta semana para discutir o banimento. A ONG WildAid, dedicada a temas como a caça ilegal de animais, estima que até 30 mil elefantes são mortos ilegalmente a cada ano. Segundo a organização, mercados como o de Hong Kong perpetuam a demanda.

Enquanto o preço do marfim caiu para quase dois terços nos últimos três anos, segundo um informe da Save Elephants. O preço no atacado do marfim cru caiu de US$ 2.100 por quilo no início de 2014 para US$ 730 em fevereiro de 2015.  / REUTERS

 

Tudo o que sabemos sobre:
HONG KONGChinaONG

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.