China fez 'propostas concretas', afirmam emissários tibetanos

Representantes do dalai-lama afirmam que ainda persistem diferenças importantes na negociação com Pequim

Associated Press, REUTERS

08 de maio de 2008 | 08h58

Os emissários do dalai-lama e os representantes do governo chinês mais discordaram do que concordaram durante as negociações realizadas no fim de semana para discutir formas de superar a recente onda de violência no Tibete, mas os dois lados fizeram "propostas concretas" que poderiam fazer parte de uma futura agenda para discussões sobre o Tibete.   A afirmação foi feita por Lodi Gyari, um dos emissários do dalai-lama nas conversações realizadas no início da semana na China. Ele conversou com jornalistas em Dharmsala, no norte da Índia, onde funciona o autoproclamado governo tibetano no exílio.   Apesar das propostas concretas, as divisões persistem, observou Gyari. "Nós discordamos mais do que concordamos", disse Gyari. "Nossos interlocutores voltaram a fazer acusações infundadas contra o dalai-lama, de que ele estaria prejudicando e sabotando a Olimpíada de Pequim. Mas deixamos claro que o dalai-lama apóia os Jogos Olímpicos desde o início", afirmou.   O governo chinês acusou em diversas ocasiões o líder espiritual tibetano e seus assessores de fomentarem os recentes protestos contra Pequim no Tibete. O dalai-lama nega. Nesta quinta, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Qin Gang, voltou a pedir ao dalai-lama que pare com as atividades separatistas. O líder religioso também nega que defenda a secessão e diz que seu objetivo é apenas buscar mais autonomia para o Tibete dentro da China.   Pequim acusa o "bando do dalai-lama" de estar por trás dos distúrbios, de pregar a independência do Tibet e de tentar manchar o nome da China para impedir sua ascensão. O Dalai Lama, líder temporal e espiritual dos tibetanos, nega todas essas acusações. Analistas vêem uma prática comum do regime chinês nesse comportamento de fazer acusações duras em público e ao mesmo tempo se abrir ao diálogo.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinadalai-lamaTibete

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.