China: Forças Armadas responderão a provocações

As Forças Armadas da China estão preparadas para responder a todas ameaças à soberania do país, disse a porta-voz legislativa Fu Ying nesta terça-feira, antes do esperado anúncio de um novo aumento nos gastos de defesa do país.

AE, Agência Estado

04 de março de 2014 | 15h21

Fu Ying afirmou que a China apoia a resolução de conflitos por meio de negociações e que o Exército de Libertação do Povo, o maior do mundo, com 2,3 milhões de membros, serve apenas para fins de defesa.

Entretanto, ela advertiu outras nações contra testes da determinação da China. "Mas se alguns países desejam provocar ou querem danificar a paz e ordem regional, então temos de dar uma resposta, e uma resposta eficaz", salientou Fu, em entrevista coletiva. "O objetivo desta resposta, é, por um lado, manter o território e a soberania da China e, por outro lado, manter a ordem e a paz na região."

Outros países devem levar a sério as reivindicações de soberania da China se realmente estão preocupados com a paz e segurança regional, afirmou Fu, citando os Estados Unidos.

As declarações foram feitas em meio a disputas entre a China e seus vizinhos sobre o controle de ilhas e vias marítimas nos oceanos ao redor. Nos últimos 18 meses, ocorreu uma escalada das tensões entre China e Japão pelo controle de ilhas no Mar do leste da China.

A China deve anunciar o seu orçamento de defesa na quarta-feira. No ano passado, os gastos com as Forças Armadas subiram 10,7%, para 720 bilhões de yuans (US$ 117 bilhões). Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaforças armadasgastosdefesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.