EFE/MIRAFLORES
EFE/MIRAFLORES

China frustra pedido de ajuda de Maduro

Presidente da Venezuela queria empréstimo de US$ 5 bilhões, mas só conseguiu alguns acordos

O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2018 | 21h07

PEQUIM - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou a China de “irmã mais velha” nesta sexta-feira, 14, antes de se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, e o primeiro-ministro, Li Keqiang, em Pequim. A tentativa de mostrar intimidade não foi suficiente para conseguir o empréstimo que pretendia. Maduro saiu do país, onde chegou na quinta-feira, só com alguns acordos.

Maduro viajou à China com a esperança de voltar para casa com outro empréstimo de US$ 5 bilhões (R$ 20 bilhões) e uma prorrogação de seis meses do período de carência para o pagamento da dívida com a China. O ministro das Finanças venezuelano, Simon Zerpa, que também está em Pequim, afirmou na quinta-feira à agência de notícias Bloomberg que o acordo para o empréstimo estava acertado.

Embora o premiê chinês tenha dito a Maduro que a China estava disposta a dar à Venezuela toda a ajuda necessária, não houve qualquer menção nos comunicados oficiais e na mídia estatal chinesa à concessão de novos fundos para Caracas.

Maduro falou na reunião com Li que estava firmando “28 acordos que ratificam o caminho do desenvolvimento compartilhado e dos investimentos para tornar realidade o progresso de nossas empresas mistas no setor de petróleo”.

Na prática, no entanto, segundo a mídia estatal chinesa, os dois países fecharam apenas um acordo para um financiamento de US$ 184 milhões (R$ 769 milhões) a uma empresa mista constituída pela petroleira venezuelana PDVSA e pela chinesa CNPC para explorar o campo Zumano.

Na reunião com o presidente Xi Jinping, Maduro agradeceu à China por seu apoio de longa data e por sua “compreensão”. O presidente chinês, por sua vez, disse ao colega venezuelano que ambos os países deveriam promover a cooperação mútua para elevar suas relações a um novo patamar, que “era hora de consolidar sua confiança na política mútua”, segundo os órgãos oficiais de imprensa.

A China emprestou na última década quase US$ 70 bilhões (R$ 293 bilhões) à Venezuela, país com as maiores reservas de petróleo do mundo. Os empréstimos são pagos com o envio do produto. 

O fluxo de dinheiro chinês parou há quase três anos, quando a Venezuela pediu uma mudança nas condições de pagamento em meio à queda dos preços do petróleo. A produção da Venezuela caiu em agosto para 1,448 milhão de barris diários, informou a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o menor resultado em três décadas.

Com a economia em frangalhos, uma inflação que pode atingir 1.000.000% ao final do ano, segundo o FMI, Maduro precisa de recursos para injetar na Venezuela. Em agosto, ele anunciou um plano econômico que instituiu uma nova moeda, o “bolívar soberano”, com cinco zeros a menos, e aumento de 3.400% do salário mínimo. / AFP, REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.