Anthony Wallace / AFP
Anthony Wallace / AFP

China impõe sanções a EUA por lei em apoio a protestos em Hong Kong

Pequim determina a suspensão de navios e aeronaves militares americanos no território semiautônomo e multa ONGs

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2019 | 07h58
Atualizado 02 de dezembro de 2019 | 10h36

PEQUIM - A China anunciou nesta segunda-feira, 2, a suspensão imediata - por tempo indeterminado - das escalas de recuperação dos navios de guerra dos Estados Unidos em Hong Kong e informou que vai estabelecer sanções contra várias ONGs americanas acusadas de incentivar manifestantes a "se engajar em atos extremistas, violentos e criminosos".

As medidas foram adotadas em resposta à aprovação de uma lei em Washington que apoia as manifestações pró-democracia que abalam o território semiautônomo há seis meses, informou a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying.

Na semana passada, o regime comunista anunciou que adotaria medidas de represália depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, promulgou a lei sobre os direitos humanos e a democracia em Hong Kong.

Resposta do governo Chinês

Pequim considera o texto uma interferência nos assuntos internos do país. Em resposta, o governo decidiu "suspender as demandas de visita de recuperação dos navios de guerra americanos, a partir de hoje", afirmou Hua.

Para Entender

Conheça 5 dos novos políticos pró-democracia eleitos em Hong Kong

A vitória arrebatadora dos candidatos anti-China nas eleições distritais levará uma classe política mais nova aos conselhos

Navios militares americanos atracam regularmente em Hong Kong, em visitas que permitem aos marines um período de recuperação na ex-colônia britânica.

A China já havia bloqueado duas visitas de embarcações americanas em agosto, de acordo com a Marinha dos EUA. O USS Blue Ridge, navio de comando da Sétima Frota sediada no Japão, atracou em Hong Kong em abril, e foi o último a visitá-la antes do início dos protestos em massa em junho.

Sanções a ONGs

O governo chinês afirmou ainda que pretende impor "sanções às ONGs que se comportaram mal" em Hong Kong, sobretudo associações ativas no âmbito dos direitos humanos. 

Para Entender

Cenário: Após resultado, reação de Pequim pode ser mais dura

Ampla maioria na eleição de Hong Kong sinaliza mais atritos com Pequim

A porta-voz da diplomacia citou o Fundo Nacional para a Democracia, o Instituto Nacional Democrata para as Relações Exteriores, o Instituto Internacional Republicano, Human Rights Watch e Freedom House, mas não explicou em que consistem as sanções.

"Eles têm alguma responsabilidade pelo caos em Hong Kong, e deveriam ser punidos e pagar o preço", disse Hua.

ONGs estrangeiras sofrem muitas restrições na China, e já foram alvo de represálias severas por relatarem problemas de direitos humanos no país, como a detenção em massa de muçulmanos uigures em Xinjiang./ AFP e REUTERS


Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.