China, Índia e Rússia acordam posturas comuns sobre Irã e Afeganistão

Países também delinearam diretrizes sobre mudança climática e Grupo dos Vinte

Efe

16 de novembro de 2010 | 09h01

PEQUIM - Os ministros de Assuntos Exteriores de China, Índia e Rússia realizaram uma cúpula na cidade chinesa de Wuhan, onde assinaram um comunicado conjunto expressando pontos comuns em assuntos relativos a Irã, Afeganistão, mudança climática e Grupo dos Vinte (G20, países ricos e emergentes), informou nesta terça-feira, 16, a agência "Xinhua".

 

No comunicado, por exemplo, o chanceler chinês, Yang Jiechi, o russo, Serguei Lavrov, e o indiano, Somanahalli Mallaiah Krishna, destacaram que o Irã "tem direito a usar energia nuclear com fins pacíficos e, ao mesmo tempo, deve restaurar a confiança internacional sobre o uso exclusivamente pacífico de suas atividades Nucleares".

 

Sobre o Afeganistão, os ministros coincidiram que é necessário ajudar o país "para que garanta sua segurança e desenvolvimento, e fazer esforços arrumados para restaurar a paz e a segurança nesse país".

 

No comunicado, os três países destacaram a necessidade de cooperação para lutar contra o terrorismo, incluindo o uso conjunto de informações e tecnologia.

 

Pequim e Nova Délhi apoiaram Moscou na "proteção de seus interesses", e, por isso, "contribuirão à paz e à estabilidade na região do Cáucaso".

 

Rússia, Índia e China também se mostraram a favor de uma reforma das Nações Unidas "para fazê-la mais democrática, representativa e eficiente" e se mostraram dispostos a colaborar em áreas como agricultura, energia, prevenção de desastres e serviços de saúde.

 

Também ressaltaram que os contatos e cooperação entre os três países "não ameaçam nenhum outro país" e destacaram a crescente importância internacional do bloco Bric - formado pelos três mais o Brasil -, cuja próxima cúpula será realizada na China em 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.