China insiste em pedido de desculpas dos EUA

O presidente da China, Jiang Zemin, voltou a exigir nesta quarta-feira que os Estados Unidos se desculpem pela colisão do avião espião EP-3 e um caça chinês nas costas chinesas, de acordo com a agência de notícias Nova China. O acidente aconteceu no último domingo, quando o caça se chocou no ar com o avião EP-3 de vigilância eletrônica sobre o Mar do Sul da China. O choque danificou o EP-3 e derrubou o caça chinês, dado como desaparecido. Após o acidente, o EP-3 teve de fazer um pouso forçado na base aérea da Ilha de Hainan, onde continua detido com seus 24 tripulantes. ?Os Estados Unidos devem apresentar desculpas ao povo chinês?, declarou Zemin, que responsabiliza os EUA pelo acidente. Washington exclui qualquer possibilidade de pedir desculpas e exige a devolução da aeronave e a liberação dos 24 tripulantes americanos. Em meio a crise deflagrada pelo futuro imediato do avião americano e sua tripulação, o presidente chinês Jiang Zemin e seu principal assessor para assuntos diplomáticos, o vice-primeiro ministro Qian Qichen, deixaram Pequim nesta quarta-feira para realizar uma viagem de 12 dias pela América Latina, com escalas no Chile, Argentina, Uruguai, Cuba e Venezuela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.