Kin Cheung/AP Photo
Kin Cheung/AP Photo

China intervirá em Hong Kong se situação sair do controle, diz embaixador em Londres

Em entrevista, Liu Xaoming afirma que soldados do país estão em Hong Kong para 'mostrar a soberania chinesa' e alerta contra qualquer tipo de ingerência externa nos assuntos do território

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2019 | 16h45

LONDRES - O governo da China não ficará sem fazer nada se a situação se tornar incontrolável em Hong Kong, disse o embaixador chinês em Londres, Liu Xaoming, nesta segunda-feira, 18. 

Para Entender

Cinco meses de protestos em Hong Kong: do polêmico projeto de lei ao apoio internacional

Manifestações mergulharam o território semiautônomo em sua pior crise política desde que foi devolvido pelo Reino Unido à China

"Acho que o governo de Hong Kong está fazendo todo o possível para manter a situação sob controle, mas se a situação se tornar incontrolável, o governo central não ficará sem fazer nada", afirmou Liu. 

"A China tem determinação e poder suficientes para acabar com o levante", acrescentou, antes de referir-se à presença dos soldados chineses em Hong Kong. "Eles estão lá para mostrar a soberania chinesa e com objetivo de defesa", explicou o embaixador em entrevista coletiva na capital inglesa.

Liu Xaoming, alertou contra qualquer ingerência estrangeira em Hong Kong, em especial do Reino Unido, ex-potência colonial do território, e dos Estados Unidos.

"Queremos dizer para as forças do exterior que o governo chinês está decidido a opor-se a qualquer ingerência externa nos assuntos de Hong Kong", declarou.

As afirmações do embaixador ocorreram depois que um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores britânico manifestou preocupação com a situação na ex-colônia britânica.

O porta-voz disse estar "extremamente preocupado com a escalada da violência, tanto do lado dos manifestantes quanto das autoridades no campus da universidade de Hong Kong".

"É vital que os feridos recebam tratamento médico adequado e que seja estabelecida uma passagem segura para aqueles que desejam deixar a área", disse o porta-voz da chancelaria britânica.

Manifestantes pró-democracia incendiaram nesta segunda-feira a entrada do campus universitário em Hong Kong, onde ficaram entrincheirados para impedir uma intervenção da polícia, que ameaçou utilizar "munição letal" caso os mobilizados recorram a "armas letais" nos confrontos ao redor da Universidade Politécnica.

Hong Kong é cenário desde junho de manifestações sem precedentes contra a interferência da China e a favor de mais democracia no território semiautônomo de 7,5 milhões de habitantes, que sofre sua crise política mais grave desde 1997, quando retornou à soberania chinesa. / AFP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
China [Ásia]Hong Kong

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.