China investiga suspeita de nova contaminação de leite em pó

Autoridades do setor de segurança alimentar da China estão investigando relatos de que leite em pó contaminado por hormônios provocou sinais de desenvolvimento sexual precoce em bebês do sexo feminino, informou um porta-voz do Ministério da Saúde, Deng Haihua.

REUTERS

10 de agosto de 2010 | 11h16

Haihua disse que o ministério está examinando com atenção a preocupação de consumidores e já determinou que sejam feitos testes em amostras de leite em pó, além de ter aberto uma investigação sobre o que causou nas crianças os sintomas de desenvolvimento de seios.

"Também foi definido que peritos médicos realizem testes clínicos nos bebês afetados e promovam uma investigação médica para analisar as causas da doença nas meninas", disse ele a jornalistas durante uma coletiva de imprensa.

As ações da empresa chinesa Synutra International, fabricante de alimentos para bebês, caíram cerca de 35 por cento nesta segunda-feira depois que a mídia chinesa ligou-a às alegações de desenvolvimento anormal nas meninas.

Em um comunicado na noite de segunda-feira a empresa negou as informações e disse que está em vias de adotar ações legais para proteger sua marca.

"Estamos trabalhando bem de perto com as autoridades, incluindo a Associação dos Laticínios Chineses e a agência para segurança alimentar, para provar que essas alegações são falsas. Esperamos que os resultados desses testes sejam divulgados ao público logo", disse o executivo-chefe da Synutra, Liang Zhang.

Vários jornais estatais chineses informaram esta semana que foram encontrados sintomas de desenvolvimento de seios em três bebês na província de Hubei, no sul do país.

Dois anos atrás, ao menos seis crianças morreram e quase 300 mil ficaram doentes após beberem leito em pó contaminado com melamina, um componente industrial que engana os testes realizados por autoridades fiscalizadoras ao aumentar a presença de proteínas.

(Reportagem de Emma Graham-Harrison)

Tudo o que sabemos sobre:
CHINALEITECONTAMINADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.