China irá julgar ex-chefe de polícia envolvido em escândalo político

A China irá colocar o ex-chefe de polícia Wang Lijun no centro de seu maior escândalo político em décadas e julgá-lo por crimes que incluem deserção e recebimento de propinas, afirmou a mídia estatal na quarta-feira, abrindo uma nova fase no caso que abalou a sucessão do Partido Comunista.

Reuters

05 de setembro de 2012 | 12h43

Wang fugiu para o consulado dos EUA no sudoeste da China em fevereiro, dias depois de ser dispensado de seu cargo como chefe de polícia em Chongqing, municipalidade da região que era então governada pelo ambicioso político Bo Xilai. Na gestão de Bo o policial se projetou como um desarticulador de gangues criminosas.

A agência de notícias estatal Xinhua pareceu desse modo encerrar os rumores de que Wang poderia ser tratado de forma leve por ter exposto os delitos de Bo, enquanto estava no Consulado, e revelou as quatro acusações contra o ex-chefe de polícia: deserção, recebimento de propina, adaptar a lei para fins egoístas e abuso de poder.

A informação da Xinhua indicou que Wang havia inicialmente cooperado com a tentativa de encobrir o assassinato, em novembro, do empresário britânico, Neil Heywood, cometido pela esposa de Bo, Gu Kailai.

Wang "conscientemente negligenciou e adaptou a lei para ganhos pessoais para que Bogu Kailai não fosse responsabilizada legalmente", disse a agência de notícias oficial, citando a acusação do promotor. Bogu é o nome oficial de Gu Kailai, raramente usado.

O anúncio ocorreu durante um tenso momento político para o Partido Comunista, do atual governo, que está preparado-se para uma sucessão de liderança pela primeira vez em uma década, quando o presidente Hu Jintao irá aposentar-se no Congresso partidário nas próximas semanas ou meses.

Bo foi dispensando de seu cargo em Chongqing em março e continua desaparecido, apesar de ainda ter de enfrentar acusações. Sua esposa recebeu a pena de morte --que foi suspensa em 9 de agosto-- por envenenar Heywood.

(Reportagem de Koh Gui Qing, Michael Martina e Chris Buckley)

Tudo o que sabemos sobre:
CHINAESCANDALOCHEFEPOLICIAJULGAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.