China irá realocar cidadãos no Iraque para áreas seguras

A China anunciou que irá realocar cidadãos que estão no Iraque para longe das zonas de perigo. Em um pronunciamento diário, a porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Hua Chunying, afirmou que essas pessoas podem ser movidas para lugares seguros no Iraque ou para países vizinhos, embora a maioria já esteja em áreas relativamente seguras.

AE, Agência Estado

19 de junho de 2014 | 21h57

Há mais de 10 mil chineses no Iraque, mas o governo não informou quantas pessoas serão realocadas. "Nós também esperamos que o lado iraquiano possa tomar medidas concretas para garantir a segurança das instituições e funcionários da China", cobrou. A presença chinesa no Iraque cresceu significativamente nos últimos anos seguindo o aumento nas importações de petróleo pelo governo iraquiano, que subiram 50% em 2013.

O governo iraquiano está enfrentando uma insurgência sunita conhecida como Estado Islâmico do Iraque e do Levante (Isil, na sigla em inglês). O grupo tomou conta de uma série de cidades e está lutando pelo controle de uma das principais refinarias de petróleo do país.

Já Syed Akbaruddin, porta-voz do Ministério de Assuntos Externos da Índia, afirmou que o governo iraquiano definiu onde os 40 indianos sequestrados próximo a Mosul estão sendo mantidos reféns. Ele informou que não houve pedido de resgate e que há cerca de 10 mil indianos no país, sendo que cerca de 100 deles estão em áreas inseguras. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraquechinaíndia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.