China julgará mais de 200 suspeitos pelas revoltas de Xinjiang

Maioria dos processos por envolver acusações relacionadas com a segurança nacional, afirma o Tribunal

Efe,

24 de agosto de 2009 | 08h34

Os tribunais de justiça começarão a julgar esta semana mais de 200 suspeitos detidos nas revoltas da região noroeste de Xinjiang do mês de julho, informou nesta segunda-feira, 24, o jornal oficial China Daily.

 

Veja também:

lista Entenda: Xinjiang, área de maioria muçulmana que incomoda Pequim

 

Entre as acusações estão o vandalismo contra propriedades públicas; a organização para causar dano a outras pessoas; lesões; roubo; assassinato; provocação de incêndios e organização para transtornar a ordem pública.

 

Um procurador judicial de Urumqi, a capital regional, declarou ao China Daily que 718 pessoas foram detidas pelas revoltas, que causaram 197 mortos segundo fontes oficiais chinesas e mais de 800 de acordo com os uigures (minoria étnica) no exílio.

 

A imprensa oficial assegurou na semana passada que a acusação já reuniu "400 quilos de provas", principalmente tijolos e objetos contundentes manchados de sangue, assim como 91 vídeos e mais de 2.000 fotografias acusatórias. A maioria dos processos será a portas fechadas por envolver acusações relacionados com a segurança nacional, segundo fontes do Tribunal de Xinjiang, que assinalou que os outros casos serão julgados publicamente.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaXinjiang

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.