China lança ao mar seu primeiro porta-aviões

O primeiro porta-aviões chinês foi lançado para testes em mar aberto nesta quarta-feira. O fato elevou os temores sobre o crescente poderio militar do país e suas reclamações cada vez mais assertivas sobre territórios disputados. A missão do antigo porta-aviões soviético, que foi reformado, marca o primeiro passo na direção da produção de uma embarcação totalmente desenvolvida na China.

AE, Agência Estado

10 de agosto de 2011 | 09h15

Segundo Pequim, o navio será usado para pesquisa e treinamento, destacando seus projetos de longo prazo de construir outros três porta-aviões iguais em seus próprios estaleiros.

"Como uma grande economia, a China de um lado deve assumir mais responsabilidades com o mundo e, do outro, tem alguns novos interesses de segurança que precisa proteger. O poder naval da China precisa ter um crescimento de acordo com essas circunstâncias", disse Wang Shaopu, diretor do Centro de Estudos Pan-Pacíficos da Universidade Jiaotong, em Xangai.

O navio de 300 metros de comprimento partiu do porto de Dalian, no norte do país, onde foi reformado. "Após retornar do mar, o porta-aviões vai continuar a ser reequipado e os testes continuarão", informou a agência de notícias oficial Xinhua.

A China passou a maior parte da última década reformando o porta-aviões, anteriormente conhecido como Varyag.

O programa de porta-aviões de Pequim é visto como resultado do crescimento do poderio militar do país, alimentado por quase duas décadas de crescimento porcentual de dois dígitos nos gastos com defesa. A China anunciou que seus gastos militares subiram para US$ 91,5 bilhões no ano passado, o segundo maior do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Embora o desenvolvimento de porta-aviões tenha como objetivo demonstrar o prestígio do país, as ambições navais chinesas atraem atenções por causa das reivindicações de territórios em disputa ao redor de Taiwan e no sul do Mar da China. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaporta-aviõestestes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.