China lança módulo para futura estação espacial

A China lançou nesta quinta-feira um módulo experimental de base para uma futura estação espacial, ressaltando suas ambições de se tornar uma potência espacial. O módulo Tiangong-1, do tamanho de um carro, foi lançado ao espaço do centro de lançamento Jiuquan, que fica nas proximidades do deserto de Gobi, a bordo do foguete Long March 2FT1.

AE, Agência Estado

29 Setembro 2011 | 11h39

Após este passo, a China planeja lançar a nave espacial não tripulada Shenzhou 8 e realizar manobras de acoplagem com o módulo, o que deve acontecer nas próximas semanas. Outras duas missões, sendo que pelo menos uma deve ser tripulada, devem ser realizadas no próximo ano, quando astronautas devem ficar em órbita por até um mês.

O módulo de 8,5 toneladas, cuja tradução do nome é "palácio celestial-1" deve ficar em órbita por dois anos. Após este período, outros dois módulos experimentais devem ser lançados para mais testes antes de a estação ser lançada em três partes entre 2020 e 2022.

"Este é um teste significativo. Nunca fizemos isso antes", disse Lu Jinrong, engenheiro chefe do centro de lançamento, segundo a agência de notícias estatal Xinhua.

A estação espacial, que ainda não recebeu um nome, é o mais ambicioso projeto chinês de exploração do espaço, que também quer chegar à Lua, possivelmente com astronautas.

A China lançou seu primeiro voo espacial tripulado em 2003, unindo-se ao grupo formado pelos Estados Unidos e a Rússia como os únicos a enviar humanos para a órbita terrestre.

Mas o sigilo do programa espacial e suas fortes ligações com os militares inibiu a cooperação com os programas espaciais de outros países, dentre eles o projeto da Estação Espacial Internacional (ISS, pela sigla em inglês).

A estação espacial chinesa deve ter cerca de 60 toneladas quando concluída, mas ainda assim será menor do que a ISS, que tem participação de 16 países e deve permanecer em funcionamento até 2028.

A China solicitou várias vezes sua inclusão no projeto da ISS, mas foi recusada principalmente por causa das objeções dos Estados Unidos, o que levou Pequim a formular seu próprio projeto.

Embora o programa pareça correr sem grandes problemas, o lançamento do módulo Tiangong-1 foi adiado por um ano por questões técnicas e então postergado novamente depois que o foguete Long March 2C, semelhante ao Long March 2FT1, não ter conseguido chegar em órbita em agosto. O acidente com o foguete foi investigado e os problemas encontrados foram resolvidos. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
China espaço módulo lançamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.