China lança sua terceira missão espacial

Com o sucesso do lançamento da nave não tripulada Shenzhou III, na madrugada desta terça-feira, em Pequim, a China começa uma nova fase em seu programa espacial e espera em breve fazer parte das grandes potencias espaciais como a Rússia e os Estados Unidos. Dentro da nave há instrumentos que simulam os sinais vitais humanos para que os cientistas chineses possam estudar melhor o sistema de respiração artificial. O Shenzhou entrou em órbita dez minutos depois do lançamento e deverá ficar no espaço por alguns dias. O presidente da China, Jiang Zemin, que assistiu ao lançamento na província ocidental de Gansu, disse que "o êxito da missão espacial é um reflexo da ambição do povo chinês, e de seus extraordinários esforços científicos e tecnológicos". Jiang lembrou que o início das missões espacial em seu país começou há uma década apenas e que os progressos técnicos foram excepcionais. O objetivo da missão é fazer experimentos científicos e tecnológicos no campo da biologia, astronomia e física. O Centro de Controle Aeroespacial de Pequim informou que o lançamento do Shenzhou é último passo antes do país enviar um homem ao espaço, previsto para 2005. Em novembro de 1999, a China lançou a sua primeira nave espacial não tripulada. No ano passado uma segunda missão foi lançada, desta vez com um cão, um macaco e um coelho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.