China lançará módulo espacial até o fim de setembro

A China informou nesta terça-feira que lançará seu módulo espacial Tiangong-1 mais tarde neste mês, marcando o primeiro passo na direção da construção de uma estação espacial chinesa, informa a agência France Presse (AFP). O gigante asiático vê seu programa espacial como um símbolo da sua estatura geopolítica e do crescente domínio da tecnologia, bem como do sucesso do Partido Comunista Chinês em levar a antiga nação assolada pela pobreza à prosperidade.

AE, Agência Estado

20 Setembro 2011 | 15h59

A China planejava colocar em órbita o módulo "Palácio Celestial", ou Tiangong-1, no ano passado, mas foi forçada a atrasar o lançamento por "razões técnicas". Um porta-voz do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, na província de Gansu, no sudoeste chinês, disse que o módulo será lançado em algum momento entre 27 e 30 de setembro, logo antes do Dia Nacional da China em 1º de outubro.

De acordo com a agência estatal de notícias Xinhua, tanto o "Palácio Celestial" quanto o foguete Longa Marcha 2 que colocará o módulo em órbita já estão na plataforma de lançamento no centro espacial Jiuquan.

O módulo "Palácio Celestial" pesa oito toneladas e deverá ficar na órbita terrestre durante dois anos. Em abril, Yang Liwei, o primeiro astronauta chinês, afirmou que a China tentará fazer a sua primeira acoplagem espacial entre o Tiangong-1 e outro veículo não tripulado, chamado Shenzhou-8, no segundo semestre de 2011.

Se a acoplagem for bem sucedida, o módulo então será conectado a dois foguetes de cada vez em 2012 - o Shenzhou 9 e o 10 - que transportarão astronautas até o "Palácio Celestial".

Antes de 2016, a China lançará um laboratório espacial e, disse Yang, "por volta de 2020, planejamos construir uma estação espacial na órbita terrestre, para estadias de astronautas a longo prazo no espaço".

Em 2003, a China tornou-se o terceiro país do mundo, após a Rússia e os Estados Unidos, a colocar um homem no espaço de maneira independente, quando Yang pilotou a missão espacial Shenzhou-5. Em setembro de 2008, a China conduziu sua segunda missão espacial tripulada por humanos, quando três astronautas realizaram a primeira caminhada espacial chinesa.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.