Reprodução/Asia Times
Reprodução/Asia Times

China liberta condenado à morte que passou 23 anos detido injustamente

Chen foi detido no fim de 1992 pelo assassinato de seu caseiro e inicialmente foi condenado à morte, embora a execução tenha sido suspensa por dois anos

O Estado de S. Paulo

01 de fevereiro de 2016 | 18h49

PEQUIM - As autoridades chinesas de justiça anunciaram nesta segunda-feira, 1º, a libertação de um preso que foi inicialmente condenado à morte e passou 23 anos detido, depois que ficou provada sua inocência.

O preso, Chen Man, que agora tem 53 anos, foi libertado hoje de uma prisão na cidade de Haikou, depois que o tribunal superior da província de Zhejiang (leste) estabeleceu que sua culpa não tinha sido demonstrada e a sentença original precisava de suficientes evidências para puní-lo.

Chen foi detido no fim de 1992 pelo assassinato de seu caseiro e inicialmente foi condenado à morte, embora a execução tenha sido suspensa por dois anos.

A promotoria apelou ao considerar que a sentença não era suficientemente severa, e aí começou uma série de batalhas legais que levaram à libertação do preso.

Além da falta de provas conclusivas, o depoimento de Chen envolveu contradições sobre o método e a hora do crime e, posteriormente, ele se retratou dizendo que tinha sido torturado.

A decisão do tribunal superior estabelece que Chen poderá ser compensado economicamente por este erro da justiça.

Este anúncio aconteceu no mesmo dia em que as autoridades chinesas de justiça anunciaram sanções de diferente nível contra 27 funcionários judiciais e policiais pela execução em 1996 de um jovem de 18 anos.

O jovem foi acusado erroneamente de ter estuprado e assassinado uma mulher e acabou sendo declarado inocente 18 anos depois, em novembro de 2014, após um mês depois da reabertura do caso.

Outro homem, Zhao Zhihong, confessou em 2005 ser o autor desses delitos, assim como dos assassinatos e estupros de outras dez mulheres e meninas, e em fevereiro do ano passado, após a revisão judicial, foi condenado à pena capital. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Chinapena de morteChen Man

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.