AFP
AFP

China liberta dissidente sueco de origem chinesa Gui Minhai

Preso era funcionário de uma editora especializada na publicação de livros sobre a vida privada dos dirigentes chineses

O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2017 | 15h27

ESTOCOLMO   - O sueco de origem chinesa Gui Minhai, funcionário de uma editora especializada na publicação de livros sobre a vida privada dos dirigentes chineses, foi libertado depois de passar dois anos na prisão, informou o governo da Suécia.

+Para entender: Partido Comunista da China, ‘o maior partido do mundo’

"Recebemos das autoridades chinesas a informação de que foi libertado", disse à AFP Sofía Karlberg, porta-voz do ministério sueco das Relações Exteriores

Karlberg não revelou detalhes sobre os motivos nem a data da libertação de Gui Minhai, desaparecido há dois anos na Tailândia e que reapareceu em 2016 na China. / AFP

 

Mais conteúdo sobre:
Suécia [Europa]China [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.