China liberta três japoneses presos em meio a disputa por ilhas

Atrito entre Pequim e Tóqui se elevou após pesqueiro chinês colidir com barcos da Guarda Costeira

Reuters

30 de setembro de 2010 | 07h42

PEQUIM - A China libertou nesta quinta-feira, 30, três japoneses cuja prisão havia elevado a tensão entre os dois países, mas um outro permanece detido, numa indicação de que a disputa ainda não se encerrou.

As relações entre os dois países mergulharam em crise depois que o Japão prendeu este mês o capitão de um barco pesqueiro, após uma colisão com duas embarcações da Guarda Costeira japonesa perto de ilhas desabitadas reivindicadas por ambos os lados, no Mar do Sul da China. A Justiça do Japão libertou o capitão no fim da semana, mas os dois países reivindicam indenização pela colisão.

Os três cidadãos soltos eram empregados da construtora japonesa Fujita Corp e estavam detidos sob suspeita de entrar em uma área militar restrita. A libertação demonstra que Japão e China estão superando a fase mais dramática de seu último atrito.

Mas o ministro de Relações Exteriores do Japão, Seiji Maehara, exigiu que China solte o funcionário que ainda está preso e explique as razões da detenção.

 

As ilhas disputadas pelos países, chamadas de Diaoyu pelos chineses e de Senkaku pelos japoneses, estão situadas ao nordeste de Taiwan

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoChinaÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.