China mantém confiança em crescimento econômico

O Partido Comunista da China afirmou que está confiante no crescimento econômico do país e que vai aumentar os esforços para expandir a demanda interna em resposta aos efeitos da crise financeira global. Liderado pelo presidente Hu Jintao, o partido que governa o país divulgou uma nota ao final do encontro de quatro dias de seu Comitê Central, que aprovou uma reforma agrícola que visa a dobrar a renda do setor até 2020. "A situação econômica do país é boa de modo geral. A economia está crescendo rapidamente e o setor financeiro opera de maneira estável. A condição básica da economia se mantém inalterada", afirmou a nota. O texto afirma que a China deve adotar políticas flexíveis e prudentes e incentivar a demanda doméstica, mantendo a estabilidade da economia, do setor financeiro e dos mercados de capitais. Mas, ao mesmo tempo, a comitê alerta que há "contradições e problemas" inerentes à economia chinesa e que todos os membros do partido devem se preparar para enfrentar maiores desafios diante da crescente instabilidade da economia internacional. Os economistas reduziram sua previsão para o crescimento da China neste ano para 9%, ante 11,9% em 2007. Ainda deve ser a maior taxa de expansão entre as principais economias mundiais, mas os líderes do Partido Comunista querem manter uma taxa robusta a fim de reduzir a pobreza e evitar o desemprego, o que poderia alimentar tensões políticas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.