Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

China monta alarme contra fugitivos da Coreia do Norte

A China instalou um sistema de alarme silencioso dentro de cada casa em uma cidade fronteiriça como parte de sua política de repressão imposta aos fugitivos da Coreia do Norte, apontou um relatório divulgado nesta sexta-feira.

Agência Estado

23 de março de 2012 | 03h51

O sistema é projetado para permitir que os moradores, secretamente, envie um sinal para a polícia se fugitivos norte-coreanos chegarem às suas casas pedindo ajuda, disse a agência sul-coreana de notícias Yonhap.

O sistema pode transmitir o diálogo entre o proprietário de uma casa e seus visitantes. As autoridades chinesas pretendem expandi-lo a outras áreas que fazem fronteira com a Coreia do Norte, disse a agência. "Se você apertar o botão vermelho na parede, um sinal vai diretamente para uma delegacia de polícia", disse um homem à Yonhap.

O homem, que não se identificou, disse que viu o dispositivo durante uma recente viagem a seu parente na zona fronteiriça, no nordeste da província de Jilin Yanbian. A Yonhap afirmou que a China intensificou a repressão em áreas de fronteira desde que a Coreia do Sul criticou a repatriação de dezenas de refugiados norte-coreanos em fevereiro e neste mês.

Quase todos os que fogem vêm para a China, onde eles são repatriados se pegos. Muitos, ao chegar, se escondem e, em seguida, viajam para países do Sudeste Asiático antes de voarem para o Sul para o reassentamento, informou a agência de notícias.

Seul pediu repetidas vezes a Pequim para tratar os fugitivos do Norte como refugiados e não para enviá-los de volta, para receberem punições severas de Pyongyang. A Agência de Refugiados da ONU e a Anistia Internacional também fizeram o mesmo pedido à China. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaCoreia do Norterefugiados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.