China não deve realizar novos testes de mísseis anti-satélite

A China não tem planos de realizar um novo teste de mísseis anti-satélite, disse o ex-chefe da Defesa do Japão Fukushiro Nukaga nesta segunda-feira, após citar uma conversa com ministro da Defesa chinês, Cao Gangchuan.Nukaga disse aos repórteres japoneses que Cao afirmou em uma entrevista que "a China conduziu o último teste com propósito científico e não teve como alvo nenhum país. Por isso, o ocorrido não quebra nenhum acordo",O teste foi muito criticado pela comunidade internacional como uma exibiçãoda capacidade militar da China. Não provocou apenas o Japão, um rival da região, mas outros países como a Coréia do Sul que dependem dos satélites para comunicação.Pequim levou duas semanas para confirmar o teste realizado em 11 de janeiro, o que gerou dúvida em líderes sobre as intenções chinesas. Diversos países expressaram sua preocupação com a possibilidade do teste danificaroutros satélites em órbita.A Rússia e os Estados Unidos já conduziram testes similares, mas interromperam estas práticas nos anos 80.Desde o dia do polêmico teste, Pequim mostrou o desejo de trabalhar ao lado de outros países para um acordo que visa prevenir armas no espaço.No entanto, em outubro de 2006, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, declarou seus direitos de possuir armas espaciais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.