China não quer Bush se intrometendo em seus assuntos

Fala do porta-voz da chancelaria foi uma resposta à crítica de Bush à repressão do governo chinês

AE-AP, Agencia Estado

07 de agosto de 2008 | 07h29

A China avisou nesta quinta-feira, 7, que os estrangeiros não devem interferir em assuntos internos do país, em uma resposta ao presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, que criticou o governo chinês no dia anterior por reprimir a população.  Veja também: Bush critica a China às vésperas de abertura dos Jogos Olímpicos Leia mais notícias sobre as Olimpíadas de Pequim China e Estados Unidos teriam opiniões diferentes sobre questões de direitos humanos e religião, porém, Pequim deixou claro que não quer interferência com ''qualquer palavra ou ato'' sobre assuntos internos, comentou o porta-voz da chancelaria, Qin Gang.As palavras de Gang foram uma resposta às declarações de Bush durante encontro, realizado na quarta-feira, com jovens na Tailândia. "A América reafirma sua firme oposição à detenção, na China, de dissidentes políticos e ativistas dos direitos humanos e religiosos. Defendemos abertura e justiça na China não para impor nossas crenças, mas para permitir que os chineses expressem as suas", afirmou o presidente norte-americano.Bush chega ainda nesta quinta-feira a Pequim, para participar na sexta-feira da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.