China não tem 'interesses' na crise da Ucrânia, diz Xi

A China não tem "interesses particulares" na crise política na Ucrânia, afirmou hoje o presidente chinês, Xi Jinping, alimentando as esperanças entre os aliados ocidentais de que o governo de Pequim possa se tornar uma voz contrária à Rússia no cenário internacional.

AE, Agência Estado

28 de março de 2014 | 18h53

Falando em Berlim no penúltimo dia de sua turnê pela Europa, a primeira visita ao continente desde que se tornou chefe de Estado no ano passado, Xi disse que não tem a intenção de se envolver em assuntos internos dos países.

"Todas as partes envolvidas devem continuar a apontar para uma solução política e diplomática do conflito", disse Xi, em uma coletiva de imprensa conjunta com a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, acrescentando que o pano de fundo para a situação na Ucrânia foi "extremamente complexo".

Sempre relutante em assumir posições polêmicas em negociações internacionais, a China se recusou a tomar qualquer partido após a anexação da Crimeia pela Rússia, pedindo uma solução negociada para o conflito e recusando-se a criticar o tradicional aliado Vladimir Putin. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaRússiaUcrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.