China não vai permitir vôo de avião americano

O governo chinês protestou hoje contra a retomada dos vôos de observação norte-americanos nas proximidades da costa da China e disse que não vai permitir que o o avião espião da Marinha, que colidiu com um caça chinês em 1º de abril e permanece na ilha de Hainan, voe para fora da ilha.Sun Yuxi, um porta-voz do Ministério do Exterior chinês, disse que o modelo EP-3E Aries II não poderá ser reparado e voar de volta aos Estados Unidos. O porta-voz, entretanto, não rejeitou a possibilidade do avião espião voltar às mãos americanas."O governo chinês já declarou várias vezes em negociações relevantes que é impossível fazer com que o EP-3 voe de volta aos Estados Unidos", disse Yuxi. "O governo norte-americano deve adotar uma atitude pragmática e construtiva, para que a questão possa ser apropriadamente resolvida." A declaração, que foi publicada pela agência Xinhua, não explicou o motivo pelo qual a China se opõe a liberar o vôo do avião espião.Yuxi também disse que seu governo é contra a retomada dos vôos de reconhecimento na costa da China. O governo chinês vai "apresentar sérias representações aos Estados Unidos", por causa desses vôos, disse o porta-voz. Ele acrescentou que os americanos deveriam "ter aprendido uma lição" com o episódio de 1º de abril.Ontem, um avião da Força Aérea dos Estados Unidos realizou o primeiro vôo de reconhecimento americano desde a colisão do avião espião com um caça chinês. O avião de reconhecimento RC-135, que levantou vôo da base aérea de Kadena na ilha japonesa de Okinawa, fez um trajeto de rotina ao longo da parte norte da costa da China, disse a autoridade, que pediu para não ser identificada.O avião desarmado da Força Aérea, que é usado rotineiramente para vôos de observação na costa chinesa, não foi confrontado pelos militares chineses, afirmou o oficial. Nenhum caça chinês interceptou o avião, que completou sua missão diurna e retornou à base aérea de Kadena.O secretário de Defesa americano, Donald H. Rumsfeld, disse no domingo que acreditava que a China irá permitir que os Estados Unidos recuperem o EP-3E, e afirmou que aparentemente o avião pode ser reparado e sair voando de Hainan. Os técnicos que inspecionaram o avião na semana passada determinaram que ele pode ser reparado, mas que isso provavelmente levaria vários dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.