China nega interdição de cargueiros norte-coreanos

O embaixador da China na ONU, Wang Guangya, disse nesta segunda-feira que o país realizará inspeções para localizar qualquer arma da Coréia do Norte, mas insistiu que seu país não vai interditar cargueiros em alto mar. "Inspeções sim, mas inspeções são diferentes de interceptação e interdição", disse Wang.Sábado, a China aprovou no Conselho de Segurança da ONU a imposição de sanções contra a Coréia do Norte por seu teste nuclear, mas Wang disse que a resolução não torna obrigatório a inspeção de cargueiros norte-coreanos.O embaixador disse que os Estados poderão realizar tal operação se necessário e de acordo com as autoridades legais de cada país. Os EUA iniciaram nesta segunda-feira uma ofensiva diplomática dirigida a países vizinhos à Coréia do Norte para garantir a plena aplicação da resolução da ONU. Além da autorização para interceptação e inspeção de cargueiros norte-coreanos, a resolução inclui o embargo de armas pesadas à Coréia do Norte, assim como o congelamento de bens de pessoas ou empresas ligados ao programa de armas norte-coreano.O negociador americano, Christopher Hill, chegou nesta segunda à noite ao Japão e viajará quinta à Coréia do Sul. A secretária americana de Estado, Condoleezza Rice, se juntará a Hill em Seul antes de viajar para a China. CaminhõesAutoridades chinesas começaram a inspecionar caminhões de carga com destino à Coréia do Norte. No posto fronteiriço da cidade chinesa de Dandong, cerca de 30 caminhões chineses eram inspecionados nesta manhã, enquanto 50 caminhões norte-coreanos vazios esperavam para entrar na China.A China é o principal parceiro comercial da Coréia do Norte, mas seu apoio é crucial para o êxito das novas medidas da ONU. Os dois países dividem 1.416 quilômetros de fronteira, através dos quais é feito o comércio e pelos quais a China envia a maior parte de sua ajuda à Coréia do Norte, incluindo 90% do petróleo usado pelos norte-coreanos.O comércio exterior total da Coréia do Norte no ano passado foi de US$ 4 bilhões. A China foi responsável por US$ 1,7 bilhão deste total em exportações e US$ 500 milhões em exportações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.