China: núcleo do Politburo pode ser reduzido a 7 líderes

O Partido Comunista da China entrou nesta terça-feira na reta final do Congresso que escolherá a liderança do país para os próximos dez anos. O Congresso é chefiado pelo vice-presidente Xi Jinping, que deverá ser nomeado secretário-geral do Partido Comunista na quinta-feira. Mas também será eleito o novo Politburo, com 25 integrantes. O número de membros do Comitê Permanente do Politburo, considerados os verdadeiros líderes que mandam no país, poderá ser reduzido de nove para sete, projetam analistas políticos. Além de Xi, cuja eleição para secretário-geral e consequentemente para o cargo de presidente do país é dada como certa, o vice-primeiro-ministro Li Keqiang deverá ser eleito para o cargo de primeiro-ministro, em substituição ao atual premiê Wen Jiabao, que se aposentará no começo de 2013.

AE, Agência Estado

13 de novembro de 2012 | 17h40

Li, visto como o próximo primeiro-ministro, fala inglês e vem de uma geração de líderes comunistas chineses mais aberta ao Ocidente. Mas ao mesmo tempo é considerado um burocrata cauteloso e calculista. Ele foi governador da província agrícola de Henan em 1998, quando houve no local uma explosão de casos de contaminação pelo vírus HIV, por transfusão de sangue contaminado em pacientes nos hospitais. Segundo ativistas, Li primeiro tentou abafar o escândalo, com apoio da cúpula do partido. Mas quatro anos depois, quando o governo deixou o assunto ser discutido, Li rapidamente mudou curso e canalizou auxílio do governo às vítimas, bem como mostrou apoio público aos doentes. "Ele provavelmente não é um sujeito ruim, mas não se mostrou capaz de gerenciar crises de uma maneira forte e responsável", disse Wan Yanhai, um ativista chinês que luta pelos portadores do vírus HIV na China e fugiu para os Estados Unidos em 2010.

A redução do número de líderes do Comitê Permanente do Politburo não foi confirmada oficialmente. Além de Xi e Li, poderão participar do Comitê Permanente do Politburo políticos considerados conservadores ou então reformistas. Todos estão entre os 25 atuais integrantes do Politburo. No lado conservador (considerado mais maoista e de esquerda) disputam três políticos: o chefe do Partido Comunista de Tinjian, Zhang Gaoli; o chefe do partido em Xangai, Yu Zhengsheng; e o chefe do Departamento de Propaganda, Liu Yunshan. No lado mais reformista, disputam participação no Comitê Permanente o chefe do partido em Chongqing, Zhang Dejiang; o vice-premiê Wang Qishan; o chefe do partido em Guangdong, Wang Yang; e o chefe do Departamento de Organização, Li Yuanchao.

O Partido Comunista da China analisa nesta terça-feira a lista de candidatos aos postos em seu novo comitê central. A legenda informou que há 108 candidatos para cada 100 cadeiras no comitê central. A presidência do Congresso, chefiada por Xi, entregou a lista aos cerca de 2.300 delegados em Pequim nesta terça-feira. Cerca de 200 serão eleitos amanhã. Depois, o comitê central elegerá os 25 integrantes do Politburo e os integrantes do Comitê Permanente do Politburo. A confirmação de Xi Jinping como próximo secretário-geral do Partido Comunista é esperada para a quinta-feira. Ele sucederá Hu Jintao no posto. Em 2013, Hu entregará a Xi a presidência da China.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.