China ordena mobilização contra vírus que já matou 23 crianças

Pelo menos outras 4 mil foram infectadas pela chamada 'febre aftosa humana', que não tem ligação com a animal

REUTERS

03 de maio de 2008 | 11h36

A China ordenou neste sábado, 3, às autoridades que combatam agressivamente antes dos Jogos Olímpicos de Pequim a "febre aftosa humana", causada pelo enterovírus 71, que em um surto rápido matou pelo menos 23 crianças e infectou aproximadamente outras 4 mil. Em Fuyang, 22 crianças morreram devido à doença, e 3.321 foram infectadas. Cinquenta e oito estão em estado grave ou crítico, afirmou o ministério. "Nossos médicos vão deixar os hospitais para encontrar pacientes em potencial, em vez de ficarem sentados esperando por eles", disse Liu Qian, do Ministério da Saúde, à TV estatal na localidade mais afetada, a cidade de Fuyang, na província de Anhui. O Ministério da Saúde afirmou que os casos da doença podem aumentar nos próximos meses porque a época mais suscetível ao contágio é entre junho e julho. Os casos em algumas províncias chinesas, em Taiwan e em Cingapura estão sendo registrados a um nível acima do ano anterior. O ministério ordenou que as autoridades de saúde em todo o país reportem os casos dentro de 24 horas e tomem medidas de controle antes dos Jogos Olímpicos em agosto. Os funcionários do governo vão visitar as creches e as escolas primárias para orientar os profissionais sobre medidas de higiene e prevenção, e os cientistas chineses vão aumentar a pesquisa sobre a doença.   A "febre aftosa humana" não tem relação com a doença do mesmo nome que costuma afetar o gado bovino, ovino e suíno. A pessoa contaminada tem sintomas como febre, aftas na boca e bolhas nas mãos e nos pés. Em casos mais graves, a doença pode gerar meningite, encefalite, edemas pulmonares e paralisia.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinadoença

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.