China: PBOC diz que liquidez ficará em níveis razoáveis

O Banco do Povo da China (PBOC, o banco central do país) comprometeu-se neste sábado com medidas de proteção contra os riscos referentes a produtos de gestão de riqueza de bancos e a dívidas dos governos locais, mantendo a liquidez em níveis adequados.

Agência Estado

08 de fevereiro de 2014 | 10h38

O PBOC buscará intensificar o monitoramento dos riscos relativos a produtos de gestão de riqueza de outros bancos, aceite bancário (letra de câmbio a prazo sacada contra um banco e aceita por este) e negócios interbancários, mantendo um olhar atento sobre quaisquer riscos de moratória de empréstimos feitos a governos locais, indústrias que lutam contra excesso de capacidade, bem como o setor imobiliário, disse a instituição, em comunicado divulgado após a reunião trimestral de seu comitê de política monetária.

Credores da China enfrentaram um aperto de crédito no ano passado, em parte devido a uma incompatibilidade entre o financiamento de curto prazo de outros bancos com as suas concessões de empréstimos de longo prazo.

Os formuladores de políticas também irão manter o crescimento de empréstimos e financiamentos sociais totais na China em níveis razoáveis, segundo o PBOC. O banco salientou que vai administrar a liquidez de acordo com as condições das instituições econômicas e financeiras, assim como a implementação da sua política de crédito por bancos comerciais.

O crescimento da base monetária (M2) deve ser menor no início deste ano devido a um forte aumento ocorrido em igual período do ano passado ante 2012, disse o comunicado. O M2 da China cresceu 13,6% no final de dezembro na comparação anual.

O PBOC também reafirmou seus objetivos de políticas de longa data, dizendo que vai avançar com a com a liberalização da taxa de juros e manter a taxa de câmbio para o yuan em níveis amplamente estáveis. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
chinapbocliquidezriscos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.