China pede a governo sírio e rebeldes para acabar com violência

A China pressionou o governo sírio e os rebeldes que tentam derrubar o presidente Bashar al-Assad a pararem imediatamente todos os atos de violência, especialmente contra os civis.

REUTERS

03 de março de 2012 | 15h40

O país também pediu ao governo e aos rebeldes para "iniciarem um diálogo político inclusivo, sem pré-condições", sob mediação do recém-apontado enviado da Liga Árabe da Organização das Nações Unidas (ONU), o ex-secretário-geral da entidade, Kofi Annan, para lidar com a crise síria.

"O governo sírio e todas das partes envolvidas devem imediatamente, de forma completa e incondicional, parar com as ações de violências, particularmente a violência contra civis inocentes", informou o ministério de Relações Exteriores em um comunicado divulgado pela agência de notícias Xinhua.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINASIRIAVIOLENCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.